Polícia militar acabou de fazer recomendação ao SPORT RECIFE

A Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) enviou uma recomendação ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) sugerindo que o confronto entre Sport e Ceará, válido pelas quartas de final da Copa do Nordeste, seja realizado com portões fechados.

A partida está agendada para a próxima semana, na Arena de Pernambuco, na quarta-feira seguinte, às 21h30. O documento, assinado pelo comandante da PMPE, Ivanildo César Torres de Medeiros, destaca a incapacidade de garantir “segurança absoluta” para os participantes do jogo, incluindo torcedores e profissionais.

A PMPE foi convocada pelo STJD, juntamente com o Sport e a Federação Pernambucana de Futebol, para avaliar a “viabilidade da realização da partida com absoluta segurança (…), ou, alternativamente, a possibilidade de jogar com portões fechados ou em outra localidade”.

A solicitação partiu da Federação Cearense de Futebol ao STJD, buscando evitar que a partida acontecesse em Pernambuco ou ocorresse sem a presença de público.

Situação da PM

Conforme a Federação Cearense, Pernambuco não oferece garantias suficientes de segurança para o evento, programado para a próxima semana, com data a ser confirmada pela CBF.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

A PMPE enfatiza sua capacidade de realizar “as escoltas das delegações, contribuindo para a manutenção da tranquilidade, paz social e integridade dos participantes”.

Entretanto, Ivanildo Torres admite que, quanto à “segurança absoluta” para o jogo, “todas as atividades relacionadas à segurança pública consideram variáveis”. Por isso, ele explica que há uma “gestão de risco aplicada ao contexto geral das atividades futebolísticas”.

Ele conclui que, diante do exposto, levando em conta a presença de público, a “situação política dos clubes” e a presença de torcidas organizadas locais e visitantes, não é possível garantir “absolutamente” a segurança e, portanto, recomenda que o jogo seja realizado com portões fechados, “sem a presença do público”.