Meia do Sport foi parar na SELEÇÃO BRASILEIRA

Natural de Codó, município do Maranhão, Jackson Coelho Silva, conhecido simplesmente pelo seu primeiro nome, foi um dos grandes talentos do Sport Recife. Hoje, vamos relembrar sua passagem pelo Sport Club do Recife, que ocorreu entre 1997 e 1998.

Após ser revelado pelo Maranhão Atlético Clube e vestir as camisas de equipes como Mogi Mirim, Goiás e Comercial, Jackson foi contratado pelo Sport no início de 1997. Sua chegada a Recife trouxe resultados significativos para a equipe, que buscava um jogador capaz de impulsionar o retorno do time rubro-negro à conquista de títulos.

Já em seu primeiro ano com a camisa do Leão da Ilha, Jackson foi o grande destaque da equipe que conquistou o Campeonato Pernambucano de 1997. Encerrou a temporada com sete gols marcados em 50 partidas disputadas.

Em seu segundo e último ano, destacou-se ainda mais. Devido às suas excelentes atuações, especialmente na campanha do bicampeonato estadual de 1998, ele chegou a ser convocado para representar a Seleção Brasileira, embora tenha participado apenas de três amistosos pela Amarelinha.

Pelo Sport, Jackson acumulou 55 jogos e registrou 18 gols, deixando sua marca de maneira expressiva no clube pernambucano.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Passagem pós-Sport

Em 1999, o Palmeiras o contratou por 3 milhões de dólares visando a participação na Libertadores daquele ano, torneio em que ele desempenhou um papel crucial na conquista pelo clube paulista.

Transferido para o Cruzeiro em 2000, tornou-se campeão da Copa do Brasil naquele ano e, posteriormente, passou por Internacional, Gama e Paulista, até chegar ao Coritiba em 2003, onde se destacou nacionalmente.

Sua trajetória o levou ao Emirates Club no ano seguinte, mas retornou ao Brasil em 2004 para defender o Ituano. Em 2005, voltou ao Coritiba, consolidando-se como o maestro da equipe, liderando o meio-campo do Coxa até o final de 2006.

Em 2007, foi contratado pelo Vitória, onde permaneceu até o final de 2009, sendo um exemplo de determinação tática e comprometimento. Contribuiu para a ascensão do rubro-negro à Série A do futebol brasileiro e para a conquista do tricampeonato baiano em 2007, 2008 e 2009. Ao término da temporada 2009, foi dispensado.