Ex-goleiro do Sport DETONOU dirigente do clube

goleiro da Juazeirense, Rodrigo Calaça, refutou a alegação de ter discutido com o diretor de futebol do Sport, Augusto Caldas, sobre a suposta tramóia do presidente e dirigente da equipe baiana nos eventos controversos do jogo válido pela primeira fase da Copa do Brasil.

Esta declaração foi feita pelo gestor rubro-negro durante a interrupção da partida transmitida pelo canal Sportv. O confronto entre as equipes foi suspenso por mais de uma hora devido a uma falha nos refletores do estádio Adauto Moraes.

Entre os incidentes que geraram controvérsia no jogo entre Juazeirense e Sport na estreia de ambas as equipes na Copa do Brasil, destacam-se o acionamento do sistema de irrigação por duas vezes, o “sumiço” dos gandulas, a presença de ambulância no gramado e a paralisação prolongada devido à falta de energia nos refletores.

O árbitro catarinense Ramon Abatti Abel encerrou a partida faltando cinco minutos, com o placar de 3×2 a favor da equipe baiana. Utilizando a mesma tática inicial do adversário, a falta de iluminação, a equipe leonina recusou-se a concluir o confronto após mais de uma hora de interrupção.

O que foi dito pelo goleiro e qual a regra?

Conforme o item III do Artigo 20 do Regulamento Geral de Competições (RGC) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o desfecho da partida deve ser determinado pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O texto estipula que “se o clube que não provocou a suspensão da partida estiver dependendo de saldo de gols para obter classificação nas fases ou competições seguintes, a situação será decidida pela Justiça Desportiva”. O goleiro também se manifestou:

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Venho por meio desta mensagem tornar público meu repúdio ao que foi dito pelo senhor Augusto Caldas, funcionário do Sport Club do Recife, de forma desonesta e imputando a minha pessoa. Nunca, em qualquer circunstância, eu acusaria ou colocaria em dúvida a honestidade e lisura da diretoria e presidência da Juazeirense”, afirmou o experiente arqueiro.

“Isso é uma atitude desesperada em não aceitar com hombridade a derrota. Está sendo apresentado agora uma queixa-crime. E esse cidadão será chamado para provar o que afirmou em meu nome. É uma situação lamentável e quem me conhece sabe que sou de poucas palavras, mas não pode deixar de manifestar minha defesa contra esse absurdo”