Urgente: SPORT admite querer alterar a legislação

O presidente do Sport, Yuri Romão, manifestou sua discordância em relação à punição determinada pelo STJD ao Leão, em decorrência do atentado contra o ônibus do Fortaleza. Em um vídeo compartilhado nas redes sociais pelo clube pernambucano, o líder expressou seu repúdio à sentença, enfatizando que o clube não deve ser responsabilizado pelo incidente.

Durante o julgamento ocorrido nesta terça-feira, o STJD decidiu que o Sport deverá disputar oito partidas como mandante com portões fechados e pagar uma multa de R$80 mil.

O ataque ao ônibus da equipe cearense ocorreu após o empate entre o Sport e o Fortaleza pela Copa do Nordeste, em Recife. Um grupo de torcedores do time pernambucano atacou o veículo, resultando em ferimentos para seis jogadores.

Além da posição expressa por Yuri Romão, o Sport emitiu uma nota oficial reiterando sua discordância com a punição aplicada pelo STJD. O clube enfatizou que os verdadeiros responsáveis devem ser responsabilizados, em vez de penalizar as instituições esportivas.

Abre aspas

“O Sport não aceita essa punição, pois não nos sentimos responsáveis por essa ação. Em nenhum momento o Sport deixou de cumprir com todas as exigências que a lei geral do esporte e o estatuto do torcedor exige, em uma partida do tamanho que foi entre Sport e Fortaleza. “

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Não é possível que, após 20 dias do ocorrido, ainda não temos nenhum punido, ou seja, os verdadeiros criminosos continuam soltos e rindo do STJD porque não foram punidos. O Sport Clube do Recife vai recorrer a essa sentença.”

“Nós não aceitaremos em hipótese alguma qualquer punição em relação a isso. Vamos lutar até o fim pela mudança da legislação onde punam-se os verdadeiros criminosos.”

Posicionamento oficial:

“O Sport Club do Recife se posiciona contrário a punição imposta pela Segunda Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), na manhã desta terça-feira (12). A vice-presidência jurídica do Rubro-negro vai recorrer dessa decisão descabida e injusta.”