SPORT venceu prêmio após homenagear Abel Braga

Na noite desta segunda-feira, a solidariedade recebeu reconhecimento no Prêmio Brasileirão 2017, ocorrido na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro. Uma categoria inovadora, intitulada “Não é só futebol”, foi introduzida para destacar atitudes exemplares que transcendem as fronteiras do esporte, tanto nos campos quanto nas arquibancadas.

O estreante notável foi o Sport, que deixou sua marca na história ao conquistar o prêmio. A ação premiada foi a manifestação espontânea da torcida rubro-negra na Ilha do Retiro em 2 de agosto. Na ocasião do confronto entre Sport e Fluminense, o treinador Abel Braga, ainda abalado pelo falecimento de seu filho João Pedro, de 19 anos, três dias antes da partida, adentrou o campo e foi calorosamente ovacionado pelos torcedores rubro-negros, não conseguindo conter as lágrimas.

“O Sport tem a solidariedade em seu DNA e o nosso torcedor também. Pensa em fazer o bem independentemente da rivalidade que exista no futebol. O prêmio dessa noite é apenas consequência disso.” disse o Executivo de Operações Sociais do Sport, Sid Vasconcelos.

História trágica

O adolescente de 18 anos sofreu uma queda da janela do apartamento da família, localizado no bairro do Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. Enquanto Abel, de 64 anos, comandava uma atividade no Centro de Treinamento do clube, recebeu a notícia sobre a tragédia.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

O Fluminense anunciou um luto oficial de três dias. João Pedro enfrentava crises convulsivas e precisava tomar medicamentos diariamente, tanto pela manhã quanto à noite, para evitar essas crises. A janela do banheiro, de onde ocorreu a queda, era panorâmica e baixa. A hipótese mais provável é que ele tenha sofrido uma crise e caído.

O funeral de João Pedro teve lugar no Salão Nobre das Laranjeiras. Abel carrega consigo a lembrança do apoio que recebeu durante o que ele descreve como o “pior momento” de sua vida.Passado um ano, ele compartilhou de onde encontrou a força necessária para continuar trabalhando, superando a terrível perda de João Pedro.

“Eu sou um cara extremamente religioso. Confio muito em Deus, tenho uma família fantástica. Um filho fantástico, mulher fantástica, amigos fantásticos, que são aqueles que não precisam ligar todos os dias.”