Saiu o resultado do processo milionário entre Mauro Cezar Pereira e ESPN

O comentarista e jornalista Mauro Cezar Pereira, atualmente na Jovem Pan, teve um desfecho parcial em um processo movido contra a ESPN, sua ex-emissora. Na ação, buscava uma compensação financeira estimada em R$ 3,1 milhões. O processo foi iniciado em 2021 e está em tramitação na 28ª Vara do Trabalho de São Paulo.

O processo foi instaurado porque Mauro Cezar estava requerendo o reconhecimento de dois vínculos empregatícios – como chefe de reportagem e comentarista. Outro aspecto levantado pelo comentarista é que ele teria sofrido perdas financeiras por se tornar exclusivo da ESPN durante o período em que trabalhou lá, o que teria motivado sua saída em 2020.

Atualmente, além de sua atuação na Jovem Pan, ele faz participações pontuais em outras emissoras e administra um canal no Youtube. Inicialmente, o pedido de Mauro Cezar foi negado em primeira instância. Após recorrer, o caso foi levado para julgamento em segunda instância. No entanto, apenas o vínculo de chefe de redação foi reconhecido, correspondendo a 15% do valor total solicitado.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Saída da ESPN


O jornalista Mauro Cezar Pereira utilizou suas redes sociais para anunciar, no dia 2 de hoje, sua saída da ESPN. Após 16 anos de atuação, ele deixou o canal da Disney. Em uma publicação no Instagram, Mauro Cezar, que atua como colunista do UOL Esporte, declarou que a proposta de renovação de contrato pela empresa incluía uma cláusula de exclusividade, porém, “sem grandes contrapartidas”, de acordo com suas palavras.

O comentarista descreveu a proposta como “inflexível” e afirmou que aceitá-la representaria um retrocesso em sua carreira profissional.

“Recentemente, lá de fora, veio outra alteração que modifica a relação com funcionários. A inflexível proposta do grupo para renovar contrato trazia em anexo um ‘cadeado’ onde se lia ‘exclusividade’! E sem grandes contrapartidas. Em 2021? Nessa altura da vida, com quase 38 anos de carreira? Abrir mão de tudo? Seria frustrante, além de um retrocesso profissional”.