Sport não teve dó e aplicou a maior goleada sobre o Náutico

Em um daqueles dias que ficam marcados na história, o Sport não teve piedade e aplicou a maior goleada sobre o Náutico. Foi em 1916, durante o Campeonato Pernambucano, que o Sport escreveu um dos capítulos mais impressionantes do Clássico dos Clássicos. O placar de 8 a 0 ressoou como um trovão nos corações dos alvirrubros, enquanto os rubro-negros celebravam uma vitória épica.

Goleada Memorável

Disputado na Ponte d’Uchoa, o jogo foi válido pelo segundo turno da Série B, equivalente ao Grupo B dos dias atuais. Motta foi o grande destaque, marcando quatro gols, seguido por Vasconcelos com três e Smith completando o massacre. Aquele resultado foi um prenúncio do que viria semanas depois, quando o Sport conquistou seu primeiro título estadual. Era o início de uma trajetória gloriosa que se desenhava no horizonte.

Dezoito anos depois, em 1934, o Náutico parecia pronto para dar o troco. Vencia por 3 a 1 quando a pressão sobre o árbitro resultou na interrupção do jogo. A falta de refletores no estádio fez com que a partida fosse suspensa e marcada para o dia seguinte. No entanto, o Sport não aceitou e propôs o reinício do confronto.

No dia 31 de março de 1935, o novo duelo aconteceu no campo da Avenida Malaquias. Dessa vez, o Náutico saiu vitorioso, repetindo o placar histórico de 1916. Foi um verdadeiro teatro de ironias e reviravoltas, onde o drama se desenrolou como uma peça shakespeariana, repleta de emoção e surpresas.

Artilheiros e Heróis

O Clássico dos Clássicos tem em Bita, do Náutico, seu maior artilheiro, com 23 gols marcados durante os anos 1960. Mas naquele distante 1916, os heróis foram outros. Motta, Vasconcelos e Smith se tornaram lendas, seus nomes eternizados na memória dos torcedores que testemunharam aquela goleada histórica.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Aquela vitória de 8 a 0 não foi apenas um jogo; foi um símbolo de superioridade e domínio que reverbera até hoje. A hipérbole do placar serve como um lembrete constante do poderio do Sport naquela época. Cada gol marcado naquela tarde foi como um golpe de mestre, uma sinfonia de precisão e talento que se transformou em uma lenda.

O Clássico dos Clássicos continua sendo um dos confrontos mais aguardados e emocionantes do futebol pernambucano. Cada encontro entre Sport e Náutico carrega o peso da história, com a promessa de novos capítulos tão emocionantes quanto os do passado. A rivalidade, simbolizada pela metáfora da “batalha campal”, mantém vivos os espíritos de luta e paixão que definem esses duelos.

E assim, o Clássico dos Clássicos segue sua trajetória, com cada novo jogo trazendo a chance de reescrever a história. A memória da maior goleada permanece viva, inspirando gerações e lembrando a todos que, no futebol, a glória e a derrota estão sempre à espreita.

Em suma, a goleada de 8 a 0 aplicada pelo Sport sobre o Náutico em 1916 é um marco inesquecível na história do futebol pernambucano. Uma vitória que não apenas consolidou a superioridade rubro-negra, mas também deixou um legado duradouro de paixão e rivalidade no Clássico dos Clássicos.