Polícia NÃO COMENTA caso de pedras no ônibus do Fortaleza?

Nas prisões, persiste o silêncio em relação à sociedade e às vítimas do atentado. Diante desse cenário, semelhante ao ocorrido há uma semana, no qual as autoridades mantêm-se caladas sobre o caso e, até o momento, não ofereceram respostas concretas ao incidente, o ataque ao ônibus do Fortaleza completa duas semanas na madrugada desta quinta-feira.

O incidente ocorreu em 22 de fevereiro, às 2h21, conforme indicado no Boletim de Ocorrência registrado pelo Fortaleza, após o jogo contra o Sport na Arena de Pernambuco. Na ocasião, o ônibus da delegação cearense foi alvo de um ataque a oito quilômetros do estádio, resultando em uma emboscada que deixou seis jogadores do Leão do Pici feridos.

Desde então, as investigações da Polícia Civil de Pernambuco continuam em sigilo. O órgão, sob a liderança da Secretaria de Defesa Social (SDS), permanece em silêncio, sem conceder entrevistas ou revelar detalhes das investigações em andamento, tendo concluído a fase de depoimentos de testemunhas.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Como está se dando as investigações?

Mais de 15 pessoas foram ouvidas pelos investigadores da Delegacia de Polícia de Repressão à Intolerância Esportiva. Atualmente, a fase envolve o “confronto de relatos” e a análise de imagens capturadas por câmeras de segurança.

“A polícia garantiu a seguinte situação em comunicado: O caso segue em investigação pela Delegacia de Polícia de Repressão à Intolerância Esportiva. Todas as diligências necessárias para o esclarecimento do fato estão sendo realizadas, tais como tomada de depoimentos e perícias técnicas.

As investigações seguirão até o esclarecimento completo dos fatos -garantiu a Polícia Civil de Pernambuco, em comunicado.
É importante destacar que, na semana anterior, o secretário da SDS, Alessandro Carvalho, esclareceu que divulgar “o detalhamento passo a passo das investigações” poderia prejudicar o andamento do trabalho.