Goleiro Magrão revela sua maior decepção na carreira

O nome de Magrão ecoava nas arquibancadas da Ilha do Retiro, eternizando o nome de um dos maiores ídolos da história do Sport. Mas, por trás da glória e das conquistas, guardava-se uma mágoa que só agora, quase cinco anos após pendurar as chuteiras, o ex-goleiro se sente à vontade para revelar: a frustração de nunca ter vestido a camisa da Seleção Brasileira.

Em entrevista exclusiva ao jornalista Rembrandt Júnior, Magrão abriu o coração e confessou a insatisfação por não ter sido convocado para a Seleção no auge da carreira.

“Acho que merecia uma chance”, desabafou o ídolo rubro-negro, que se considera injustiçado por não ter sido lembrado por Felipão e outros técnicos da época.

“Com todo o respeito aos outros goleiros da época, por sinal, grandes atletas. Mas, quando vejo os terceiros goleiros de hoje em dia, são goleiros simples. Meu filho até brinca que terceiro goleiro na seleção é prêmio de consolação. Mas, eu digo, brincando: essa consolação poderia ter acontecido comigo (risos)”, afirmou Magrão, com um misto de humor e tristeza na voz.

Grande história de Magrão

Magrão não se conforma com a ideia de que sua trajetória vitoriosa no Sport, com 14 anos de clube, 647 jogos disputados e 10 taças conquistadas, não tenha sido suficiente para garantir uma vaga na Seleção.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Acho que não para disputar uma Copa do Mundo ou Copa América. Porém, dentro de um amistoso ou alguns jogos, eu poderia ter sido convocado certamente”, completou o ex-goleiro, com convicção.

A mágoa de Magrão é um reflexo da grandeza do jogador que ele foi. Um arqueiro seguro, talentoso e carismático, que marcou época no Sport e conquistou o respeito da torcida e dos adversários.

É natural que ele se questione por que, com tantas qualidades, nunca teve a oportunidade de defender as cores do Brasil em uma partida oficial.

Apesar da frustração, Magrão não guarda ressentimentos. Ele reconhece a qualidade dos outros goleiros da época e se orgulha da carreira que construiu no Sport.

“Sou grato por tudo que vivi no clube e na minha carreira. Tenho muito orgulho do que conquistei”, declarou o ex-goleiro, com a voz serena e o olhar firme.

A história de Magrão é a história de um ídolo que, mesmo após pendurar as chuteiras, ainda desperta a admiração e o carinho da torcida. É a história de um atleta talentoso que merecia mais, mas que jamais perdeu a paixão pelo futebol e pelo Sport.