CEARÁ, FORTALEZA e SPORT se unem e ARREPIAM o Brasil

O encontro entre os dirigentes ocorreu no Recife, em 5 de fevereiro. De maneira oficial, Ceará, Fortaleza e Sport agora estão colaborando na busca pela equiparação de seus títulos no Torneio Norte-Nordeste, realizado entre 1968 e 1970, como conquistas nacionais.

Os dirigentes dos três clubes, incluindo diretores jurídicos, se reuniram na capital pernambucana, com a participação de representantes das federações do Ceará e de Pernambuco, para delinear o caminho burocrático do pedido formal junto à CBF. A solicitação deve ser apresentada ainda em 2024, transformando a possibilidade anterior em uma ação coletiva.

Anteriormente, cada clube estava articulando seu próprio pedido. Em dezembro, o Ceará havia indicado o convite aos outros dois, culminando no encontro e em um entendimento. Atualmente, existem 68 títulos brasileiros oficiais, sendo 53 a partir de 1971, o período clássico.

Cenário atual

Em dois momentos, em 2010 e 2023, a CBF homologou mais 15 conquistas. No primeiro momento, houve 14 títulos. Depois, a CBF oficializou todas as edições da Taça Brasil e do Roberto Gomes Pedrosa. Isso resultou até em dois campeões em um mesmo ano, em 1967 e 1968, pois os torneios ocorreram simultaneamente.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Embora o Torneio Norte-Nordeste, apelidado de “Brasileirão do Norte”, tenha tido uma finalidade paralela ao Roberto Gomes Pedrosa, conhecido como “Robertão”, os três clubes não buscaram o reconhecimento na época.

O reconhecimento do Atlético-MG como campeão brasileiro através do Torneio dos Campeões de 1937, numa disputa inédita em termos profissionais, mas envolvendo apenas clubes do Sudeste, despertou a possibilidade

Dois dossiês foram elaborados, um pelos pernambucanos Lucas Barcelos e Ewerson Vasconcelos, e outro pelo cearense Mauro Bastos. Ambos os estudos devem ser incorporados pelos clubes.

Mesmo que o pedido do trio nordestino seja feito neste ano, a resposta não deve ser rápida. No caso do Atlético-MG, a análise levou um ano e sete meses.